Canibalismo

Você está aqui

Home / Curiosidades / Canibalismo

Canibalismo: repudiado pelos valores de diversas culturas
Canibalismo: repudiado pelos valores de diversas culturas

Curtidas

0

Compartilhe:
Por Rainer Gonçalves

O canibalismo, tão condenado por questões éticas e morais contemporâneas, foi um hábito existente ao longo da história. Longe de uma velha conotação que associa o consumo de carne humana a algum tipo de ritual religioso, o canibalismo é uma prática dotada de diferentes motivações e características ao longo do tempo.

Na Pré-História, diversos vestígios de corpos esquartejados e ossos quebrados levantam a hipótese de que esse tipo de “dieta” foi presente entre alguns povos dessa época. No Brasil, os relatos de Hans Staden davam conta da presença de tribos que apreciavam o consumo de carne humana. Os índios Pacura, da Amazônia, chegavam a elaborar um tipo específico de “engorda” para que a carne de seus prisioneiros fosse bem mais palatável.

A existência de tribos canibais na América foi uma questão presente durante o processo de colonização européia, a partir do século XVI. O canibalismo, sob olhar do colonizador, era uma evidência da selvageria a ser banida das culturas nativas, seja pela via do conflito, ou pela aculturação. No entanto, percebemos que esse tipo de prática envolve questões muito peculiares a cada uma das culturas onde o canibalismo se fez presente.

Em algumas civilizações, como os tupinambás e celtas, o consumo da carne de seus inimigos era vista como uma importante estratégia de sua cultura guerreira. A ingestão de partes do corpo de um oponente poderia oferecer a habilidade, força e inteligência do mesmo. Dessa forma, quanto mais difícil o oponente vencido mais cobiçada era a ingestão de suas carnes e órgãos.

Sendo motivo de repulsa e discussão, o canibalismo chegou até mesmo a fazer parte de histórias fictícias. O Dr. Hannibal criado pelo escritor Thomas Harris e mundialmente famoso pela interpretação de Anthony Hopkins no filme “O Silêncio dos Inocentes”, de 1991, faz parte de uma trilogia onde um jovem, por meio de uma vida de traumas e brutalidades, transformou-se em um temido canibal.

Esporadicamente, a ação isolada de alguns seriais killers e psicopatas faz esse tema vir à tona novamente. Em outros casos, situações de extrema colocam em xeque o limite entre os valores da cultura e a luta pela sobrevivência. O caso dos sobreviventes à queda do avião Fairchild F-227, em 1972, é um desses exemplos. Isolados no clima extremo da Cordilheira dos Andes, os sobreviventes viram-se obrigados a consumir as carnes daqueles que morreram na queda da aeronave.

O atual valor negativo do canibalismo sustenta-se em valores onde noções de afeto, moral e individualismo impõem extrema censura a esse tipo de ato. Ao tornar-se um tabu em nossa cultura, transforma-se em um tema indigesto e, ao mesmo tempo, curioso.