Brasil na Segunda Guerra Mundial

Você está aqui

Home / Idade Contemporânea / Brasil na Segunda Guerra Mundial

Soldados da Força Expedicionária Brasileira
Soldados da Força Expedicionária Brasileira

Curtidas

0

Comentários

0

Compartilhe:

O Brasil entrou na Segunda Guerra Mundial em 30 de junho de 1944, ao lado dos países aliados, isto é, Estados Unidos, Inglaterra, União Soviética e as resistências civis-militares de países como a França. O inimigo, evidentemente, eram as chamadas “Potências do Eixo Roma-Berlim-Tóquio”. Mas por que o Brasil entrou na guerra? E como ocorreu a sua atuação? É o que responderemos a seguir.

  • Navios torpedeados e a declaração de guerra

Sabemos que o período da Era Vargas conhecido como Estado Novo, que se estendeu de 1937 a 1945, foi explicitamente ditatorial. Getúlio instaurou um aparato político policial muito semelhante ao da Itália fascista e ao da Alemanha nazista, países com os quais o Estado Novo manteve relações estreitas até 1941. Foi em 1941, contudo, que os Estados Unidos entraram oficialmente na guerra, após a base naval de Pearl Harbor ter sido atacada por aviões japoneses.

Os EUA buscaram traçar uma zona de influência militar sobre o continente americano a fim de evitar uma eventual ocupação nazifascista. O Brasil possuía regiões estratégicas que não poderiam ficar vulneráveis. Era o caso do litoral do estado do Rio Grande do Norte, onde está o Forte dos Reis Magos. Os americanos sabiam que precisavam de Vargas como aliado e começaram a pressioná-lo nesse sentido. Como diz o historiador Boris Fausto, em sua obra História do Brasil:

[…] Antes mesmo de começar a guerra, Roosevelt já se convencera de que ela se daria em escala mundial e envolveria os Estados Unidos. Essa perspectiva levou os estrategistas americanos a ampliar o que consideravam o círculo de segurança do país, incluindo a América do Sul e em especial a “saliência” Nordeste Brasileiro. Os americanos se lançaram também em uma ofensiva político-ideológica, ao promover, entre outras iniciativas, as Conferências Pan-Americanas, em torno de um objetivo comum: a defesa das Américas, independentemente do regime político vigente em cada país, sob o comando dos Estados Unidos. [1]

  • Navios torpedeados e a declaração de guerra

Os nazistas, sabendo da aproximação do Brasil com os EUA, começaram a promover retaliações contra o país, atacando navios – inicialmente navios distantes do litoral brasileiro; depois, navios mercantes muito próximos da costa nordestina. Entre 5 e 17 de agosto de 1942, seis navios brasileiros foram afundados por submarinos alemães, o que resultou na morte de mais de 600 pessoas. O fato comoveu a nação, que passou a pressionar Vargas a declarar guerra à Alemanha. Ainda no mês de agosto, o Brasil declarou oficialmente guerra contra as potências do Eixo.

  • A FEB e o front de batalha da Itália

O destacamento de soldados brasileiros enviados à guerra estava vinculado à Força Expedicionária Brasileira (FEB), criada em 13 de novembro de 1943 com o objetivo especial de ir para o front de batalha na Europa ao lado das potências aliadas: EUA, Inglaterra e União Soviética. Os soldados da FEB, que eram cerca de 25 mil, lutaram na Itália, em regiões como a de Monte Castelo – onde houve a mais importante das batalhas pela libertação da Itália. O número de mortos dos soldados brasileiros chegou a 443.

NOTAS

[1] FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2013. p. 324.


Por Me. Cláudio Fernandes