Origens do Coronelismo no Brasil

Você está aqui

Home / Idade Contemporânea / Origens do Coronelismo no Brasil

O coronelismo surgiu no Brasil no século XIX e teve seu auge na Primeira República (1889-1930)
O coronelismo surgiu no Brasil no século XIX e teve seu auge na Primeira República (1889-1930)

Curtidas

0

Compartilhe:

Por Leandro Carvalho

O coronelismo teve suas origens, no Brasil, a partir do momento em que Dom Pedro I, antes de deixar o país rumo a Portugal, no ano de 1827, criou o cargo de juiz de paz. A principal consequência da criação desse cargo foi a ampliação do poder local dos proprietários de terras e de escravos.

O juiz de paz era eleito pelos cidadãos ativos (pessoas que tinham o direito de votar porque possuíam uma determinada renda) de cada região e exercia a função de polícia (tinha o poder de prender e julgar as pessoas). Portanto, a criação do juiz de paz significou a retirada da justiça da esfera pública e passou a ser responsabilidade dos proprietários de terras e fazendeiros locais.

Durante o período regencial (1831-1840) era comum o abuso de poder dos juízes de paz. A partir do momento em que assumiram o poder, os regentes criaram a Guarda Nacional, que acabou contribuindo para ampliar o poder dos proprietários de terras e de escravos.

Rapidamente, a Guarda Nacional substituiu o Exército, fato realizado pelos regentes que não confiavam nos oficiais do Exército, que se mostravam inclinados a reivindicar a volta do imperador.

A participação na Guarda Nacional no Brasil era estipulada pela renda do indivíduo. Durante o período regencial, os títulos militares de tenente, capitão, major, tenente-coronel e coronel (o posto mais alto) foram vendidos pelo governo imperial. Dessa maneira, os grandes proprietários de terras e de escravos de diferentes regiões brasileiras passaram a ter autoridade militar. Durante a Primeira República (1889-1930), o coronelismo acentuou-se como poder local e, nesse momento, o coronel passou a exercer o chamado mandonismo político.

Com o decorrer do tempo, os coronéis da Guarda Nacional passaram a conduzir a vida social de cada região no Brasil. Eles mandavam e desmandavam na população local, isto é, passaram a ter poder de vida e morte sobre as pessoas que viviam próximas a eles.

A Guarda Nacional deixou de existir no início do século XX, porém, até os dias atuais, alguns latifundiários (grandes proprietários de terra) ainda são chamados de coronéis.