Os Panteras Negras e o movimento racial nos EUA

Você está aqui

Home / Idade Contemporânea / Os Panteras Negras e o movimento racial nos EUA

Membro dos Panteras Negras em frente ao Memorial Lincoln em convenção do partido
Membro dos Panteras Negras em frente ao Memorial Lincoln em convenção do partido

Curtidas

0

Comentários

0

Compartilhe:
Por Tales dos Santos

Por Tales Pinto

Um dos grupos mais radicais na luta contra o preconceito racial nos EUA durante o século XX foi o Partido dos Panteras Negras (Black Panthers Party). Formado na década de 1960 por Huey Newton e Bobby Seale, na cidade de Oakland, na Califórnia, os Panteras Negras diferenciavam-se das ações pacifistas pregadas por Martin Luther King e do caráter religioso islâmico dado à luta dos negros por Malcom X.

Denominados inicialmente de Partido dos Panteras Negras para a Autodefesa, o grupo passou a adotar o marxismo como orientação política, buscando interligar a perspectiva da luta de classes entre burguesia e trabalhadores articulada com o contexto da luta racial nos EUA. Isso levou inclusive à reivindicação de uma indenização por parte dos capitalistas e do Estado dos EUA pelos séculos de escravidão a que os africanos estiveram submetidos.

Dessa forma, os Panteras Negras entendiam a mão de obra escrava como formadora da riqueza do principal país capitalista do século XX. Por isso, também divulgavam a necessidade de realizar a expropriação dos meios de produção dos capitalistas brancos. O contato com as posições políticas defendidas por Mao Tsé-tung em seu Livro Vermelho serviram ainda para o grupo se ver como uma vanguarda na luta do movimento negro estadunidense.

Uma das formas de ação dos Panteras Negras era o armamento das comunidades negras. Tal posicionamento era decorrente dos constantes atos de violência e brutalidade policial a que estavam submetidos cotidianamente. Por isso, a ação inicial do grupo era contra uma das principais instituições repressivas do Estado: a polícia. Inúmeros foram os casos de confrontos armados entre os Panteras Negras e as forças policiais, resultando em mortes tanto entre os militantes quanto de policiais.

Um exemplo foi o de Huey Newton que foi preso em 1967 pelo assassinato de um policial em Oakland. A prisão resultou em um movimento para sua libertação chamado por seu camarada Eldridge Cleaver. Essas medidas objetivavam também apontar o que os Panteras Negras consideravam como injustiça, pois quando eram julgados, a maioria dos jurados era formada por pessoas brancas. Frente a isso, reivindicavam que os processos contra membros da comunidade negra fossem julgados por pessoas da mesma cor de pele.

Huey Newton, um dos fundadores do Partido dos Panteras Negras
Huey Newton, um dos fundadores do Partido dos Panteras Negras

Com o passar dos anos, o grupo conseguiu projeção nacional. Ações assistenciais eram realizadas, como a criação de escolas comunitárias, distribuição gratuita de alimentação, bem como a criação de centros médicos destinados a atender a comunidade negra.

O objetivo do partido era também organizar as comunidades negras dos EUA para a defesa de seus próprios interesses, além de construir uma consciência própria desse setor da sociedade, o que passava ainda por uma educação de seus membros, com o objetivo de contar a história da população negra nos EUA de acordo com suas próprias perspectivas.

A radicalização das ações, o fortalecimento dos Panteras Negras, inclusive com a compra de armas, e a unidade de ação conseguida com outros grupos levaram o FBI a intensificar a perseguição ao partido. J. Edgar Hoover, chefe do FBI à época, chegou a apontar os Panteras Negras como a principal ameaça à segurança interna dos EUA.

Mas a repressão teve resultado. Ao longo das décadas de 1970 e 1980 várias prisões de membros dos Panteras Negras foram realizadas, encarcerando-os durante vários anos. Problemas internos, como disputas políticas e o uso de drogas, também contribuíram para o enfraquecimento do partido. Após a década de 1990, os Panteras Negras perderam expressão política e organizacional.