Inglesa

Home / Inglesa

Por Rainer Sousa

As origens da civilização inglesa estão intimamente relacionadas ao processo de formação do Império Romano do Ocidente. Durante muito tempo, a Ilha da Bretanha ocupava apenas uma posição periférica entre as várias províncias controladas por Roma. Contudo, aos fins da Antiguidade, essa situação se transformou quando os anglos e saxões invadiram este território.

Logo em seguida, os vikings também invadiram a ilha, impondo outra dominação que marcou o cenário britânico até a Baixa Idade Média. No ano de 1066, sob a chefia do rei Guilherme, os normandos franceses conquistaram a região e, assim, instituíram o fim da hegemonia anglo-saxônica no território. Com isso, a Bretanha foi divida em condados a serem distribuídos aos militares que venceram o conflito.

Essa divisão de terras marcou a instalação das práticas feudalizantes que já tomavam grande parte do território europeu. Entretanto, no século XII, a ascensão da dinastia Plantageneta alterou o quadro político presente com o emprego de ações que contribuiriam para a centralização política da Bretanha. Com a criação da “common law” e da justiça real, os reis britânicos concentrariam poder em suas mãos.

A presença dessas estruturas jurídicas permitiu que vários impostos fossem cobrados da população e um exército regular fosse preservado sob o mando do monarca. Contudo, na passagem dos séculos XII e XIII, o envolvimento do reis plantagenetas em guerras contra a França e a organização das Cruzadas, criou um clima de grande insatisfação entre os nobres submetidos à cobrança de vários encargos.

Em 1215, uma revolta organizada pelos proprietários de terra britânicos impôs ao rei a assinatura da Magna Carta, que determinava que a criação de impostos deveria ser primeiramente aprovada por um conselho formado por integrantes do clero e da nobreza. De fato, sob a perspectiva histórica, notamos que os ingleses nunca chegaram a experimentar um regime político absolutista.

Tal sentimento autonomista acabou ganhando proporções ainda mais significativas com ascensão da classe burguesa neste país. No século XVII, antevendo os futuros embates entre a burguesia e os monarcas, a Inglaterra experimentou uma revolução liberal que bania a interferência substanciosa do poder real. Com a Revolução Inglesa, a classe burguesa daquele país atingiu as condições necessárias para dinamizar seu comércio.

O reflexo dessas ações se despontou no século seguinte, quando a nação inglesa atingiu a condição de berço da chamada Revolução Industrial. Contando com tecnologia e apoio governamental, a Inglaterra se transformou em uma das mais influentes potências econômicas de toda a História. Em pouco tempo, os produtos saídos daquela pequena ilha conquistaram mercados consumidores em vários pontos do planeta.

No século XIX, a expansão da economia capitalista instigou os ingleses a promoverem a colonização de territórios espalhados pela África e pela Ásia. No chamado imperialismo ou neocolonialismo, os britânicos interferiram na vida política de diferentes regiões do planeta com o intuito de alargar seus mercados, explorar mão de obra barata e obter matéria-prima a baixo custo.

A consequência maior desta política se deslocou na deflagração da Primeira e da Segunda Guerra Mundial, onde temos o estopim da feroz concorrência existente entre os grandes países capitalistas. Por fim, sendo a Europa o grande palco desses conflitos, a Inglaterra perdeu sua liderança econômica para os Estados Unidos, sua antiga colônia durante a Idade Moderna.

A cultura inglesa hoje se encontra presente em vários âmbitos da cultura Ocidental. A língua inglesa hoje é praticada nos quatro cantos do mundo, e se tornou um aparato de comunicação indispensável para a atualidade. Além disso, os ingleses criaram o futebol, esporte que hoje mobiliza as paixões e o interesse de várias pessoas ao redor do mundo.

 

História do Mundo

Curtidas

0

Compartilhe: