Literatura Francesa - História da Literatura Francesa

Você está aqui

Home / Francesa / Literatura Francesa - História da Literatura Francesa

Curtidas

0

Compartilhe:

Idade Média

No século XI apareceram os primeiros textos em francês: as Canções de Gesta. Formas prematuras de poesia, seus autores narravam façanhas heróicas. Estes poemas são classificados em três grupos: francês, bretão e clássico.

O ciclo francês trata, principalmente, dos que lutavam a serviço da religião. A figura central é Carlos Magno, transformado em herói do cristianismo. O poema épico mais famoso, composto no princípio do século XII, é A Canção de Rolando.

O ciclo bretão está baseado no folclore celta. O principal poeta foi Chrétien de Troyes que viveu no final do século XII.

O ciclo clássico ou antigo é o grupo menos original. A obra mais conhecida é o Romance de Alexandre.

Simultaneamente às Canções de Gesta, a literatura popular criou os fabliaux, que floresceram nos séculos XII e XIII, as sátiras — entre elas, Le Roman de Renard, baseadas nas coleções de fábulas do século XII —, e o Roman de la rose, escrito por Guillaume de Lorris e Jean de Meun (ou Meung). A influência deste texto estendeu-se pela Europa até o século XVII.

O melhor poeta lírico medieval foi François Villon, cuja influência prolongou-se até o século XX.

A evolução da literatura medieval religiosa para a profana vê-se, mais claramente, no teatro do século XIII, data da primeira obra pastoral e ópera cômica. Os milagres da Virgem foram o tema favorito durante o século XIV mas, no século seguinte, as produções teatrais libertaram-se da influência eclesiástica.

Antes do século XVI, destacam-se também alguns historiadores, entre eles Godofredo de Villehardouin e Jean de Joinville, cronistas das Cruzadas. Christine de Pisan, autora de crônicas cortesãs em elegantes versos e Alain Chartier, cronista em verso da desastrosa batalha de Agincourt, foram eclipsados por Jean Froissart que descreveu o mundo das ordens de cavalaria. As Memórias (1524), de Philippe de Comines, é o primeiro relato de acontecimentos políticos sob o ponto de vista de um homem de Estado.

O Renascimento

O mais importante dos primeiros poetas do Renascimento foi Maurice Scève, escritor do século XVI, mas o apogeu deste período só foi alcançado com o grupo de poetas conhecidos como la Pléyade cujo mentor foi Pierre de Ronsard. Por outro lado, Joachim du Bellay ajudou a preparar a chegada do Classicismo.

As novas idéias do Renascimento — e, especialmente, o novo conceito de Humanismo — apareceram, pela primeira vez, nos escritos de François Rabelais, famoso pela vivacidade e talento enquanto Michel de Montaigne apresentava-se como protótipo do humanista erudito.

Período Clássico

O século XVII é a época clássica da literatura. Uma das principais figuras do período foi François de Malherbe. Dois fatores influenciaram na aceitação dos conceitos literários de Malherbe: o salão da marquesa de Rambouillet, considerada a fundadora do Preciosismo, e a Academia Francesa, tornada estatal em 1635 e responsável pela publicação do primeiro dicionário. Outra mulher influente foi a marquesa de Maintenon.

Nicolas Boileau-Despréaux foi o principal crítico e teórico literário da época clássica. Também destaca-se Jacques Bénigne Bossuet, o orador mais célebre da época.

Pierre Corneille tornou-se o primeiro dos grandes mestres franceses da tragédia clássica. Seu sucessor, Jean Baptiste Racine, foi mais valorizado. Molière seria reconhecido como o mestre da comédia.

Cabe destacar a contribuição dos jansenistas, um grupo católico puritano. As figuras de ponta do Jansenismo são o filósofo, físico, matemático e místico Blaise Pascal, os polemistas teológicos Arnauld e Pierre Nicole, além dos moralistas Jean de la Bruyère e François de la Rochefoucauld. Jean de la Fontaine é considerado um dos maiores fabulistas de todos os tempos enquanto a melhor romancista da época — principalmente devido à exploração psicológica de suas personagens — foi Madame de La Fayette.

O século das luzes

No século XVIII, os precursores do Iluminismo foram François de Salignac de la Mothe Fenélon, Bernard le Bovier Fontenelle e Pierre Bayle. Contudo, quem melhor encarna o espírito deste século é Voltaire. O escritor Denis Diderot encarregou-se de projetar e sistematizar o conhecimento humano na Enciclopédia. Um livro notório desta época, O espírito das leis (1748-1750), de Charles de Secondat, barão de Montesquieu, continua influenciando o pensamento político moderno.

Na ficção destacam-se Antrine François Prévost, Pierre de Marivaux e Pierre Choderlos de Laclos. Na poesia, o maior nome foi André Chénier.

A obra de Jean-Jacques Rousseau antecipou as idéias revolucionárias e inaugurou o Romantismo. No período de reação que sucedeu a Revolução Francesa, os principais escritores foram o Conde Joseph de Maistre e o Visconde François René de Chateaubriand.

Romantismo

Dos numerosos grupos literários surgidos no século XIX, os mais importantes foram os românticos. Os romances de Madame de Staël anteciparam o Romantismo da geração seguinte, formada por Alphonse de Lamartine, Victor Hugo, Dumas (pai), Théophile Gautier e os poetas Alfred de Vigny, Alfred de Musset e Charles Nodier.

Da mesma época procedem o poeta Pierre Jean de Béranger, a romancista George Sand — pioneira do romance social e uma das primeiras feministas da História —, o historiador Jules Michelet e alguns precursores do Socialismo como Saint-Simon, Charles Fourier, Pierre Proudhon e Louis Blanc. Em nível intermediário encontram-se as obras dos historiadores François Guizot, Adolphe Thiers e Augustin Thierry, e os textos de Benjamin Constant.

Realismo

Honoré de Balzac é considerado o autor que propicia a transição entre a corrente romântica e a realista, integrada por Stendhal, Gustave Flaubert e Prosper Mérimée.

O realista Charles Augustin Sainte-Beuve é considerado o melhor crítico francês. Seus ensaios são ótimos exemplos de crítica sociológica e psicológica.

Parnasianismo e Simbolismo

Os poetas parnasianos Leconte de Lisle, Sully Prudhomme e José de Heredia reagiram contra o Romantismo. A obra deles é mais uma volta ao Classicismo do que uma inovação.

Baudelaire exerceu forte influência sobre os simbolistas, também chamados, pejorativamente, de decadentes. Os poetas mais importantes deste período foram Paul Verlaine, Henri de Régnier, Stéphane Mallarmé, Isidore Ducasse (um uruguaio que se intitulava Conde de Lautréamont), Tristan Corbière, Charles Cros e Jules Laforgue. O mais influente simbolista foi Arthur Rimbaud que escreveu seus poemas mais representativos antes de completar 19 anos.

Também na prosa alguns escritores buscaram efeitos simbolistas, entre eles o crítico literário Remy de Gourmont, Édouard Dujardin e o poeta Henri de Régnier.

Naturalismo

No final do século XIX surge a corrente chamada Naturalismo, liderada pelo historiador e crítico Hippolyte Taine e pelos irmãos Edmond e Jules de Goncourt.

O Naturalismo foi adotado por Émile Zola, o escritor mais significativo deste movimento. No campo da narrativa curta, o autor mais importante foi Guy de Maupassant.

A obra do crítico e historiador Ernest Renan exerceu influência sobre os romancistas Pierre Loti, Maurice Barrès e Anatole France.

O século XX

No século XX, a literatura francesa diversificou-se através de escritores individualistas, entre eles, Marcel Proust, autor de À Procura do Tempo Perdido, um dos melhores romances já escritos. A independência do pensamento nota-se, também, em Romain Rolland, André Gide e outros autores como Roger Martin du Gard, Francis Jammes e François Mauriac e Jean Cocteau, este último um homem que exerceu sua criatividade em diferentes campos artísticos. Jean Giraudoux é considerado um grande estilista. A obra de Jules Romains retrata a alma coletiva da sociedade e Guillaume Apollinaire exerceu uma marcada influência sobre a arte moderna. Destacam-se, também, o poeta católico, dramaturgo e apologista Paul Claudel e Paul Valéry que começou como simbolista e foi um dos melhores poetas psicológicos de seu tempo.

Outros prosadores famosos são Henry de Montherlant, autor de romances elegantes, e Colette, cuja aguda percepção a une aos realistas.

Após a I Guerra Mundial, o tema bélico ocupa as obras de Henri Barbusse e Roland Dorgelès, precursores dos livros antibélicos do final da década de 1920. O ensaísta André Maurois escreveu sobre a guerra em tom de humor. Georges Duhamel tratou o tema com ironia e as obras de Jean Giono mostram um pacifismo militante e uma antipatia pela hegemonia das máquinas.

Na época das vanguardas artísticas explodiu uma rebelião contra todas as formas artísticas tradicionais. Surgem o dadaísmo e o surrealismo, este último liderado por André Breton. Louis Aragon, Paul Éluard e Philippe Soupault são poetas que participaram do movimento surrealista.

Outros romancistas empregaram diferentes recursos para expressar o espírito de sua época. Muitos merecem destaque: André Malraux, o aviador Antoine de Saint-Exupéry — que chegou a ser considerado o melhor escritor de sua geração —, Louis-Ferdinand Céline, Marguerite Yourcenar, Françoise Sagan e Jean-Jacques Servan-Schreiber, cujas obras mudaram a opinião pública francesa em temas políticos. Poetas importantes deste século foram Saint-John Perse e René Char.

Na década de 1940 desenvolve-se o movimento filosófico e literário chamado Existencialismo, integrado, entre outros, por Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir. Albert Camus procurou encontrar um sentido digno para a vida sem recorrer à hipocrisia ou falsos moralismos, ao mesmo tempo em que revelava uma visão niilista e desesperançada da condição humana. Em seu romance A Peste, uma metafóra da ocupação nazista e um apelo à dignidade, Camus revelou sua descrença nos homens ao escrever a frase "o natural é o micróbio". Albert Camus recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1957 e morreu, aos 47 anos, em um acidente de automóvel.

Na década de 1950 surgem duas escolas de literatura experimental: o Antiteatro e o Teatro do Absurdo cujos maiores exemplo são as obras de Eugène Ionesco, Samuel Beckett e Jean Genet.

Paralelo ao antiteatro nasce o nouveau roman que se manifestou, principalmente, nas obras narrativas e teóricas de Nathalie Sarraute, Claude Simon, Alain Robbe-Grillet e Michel Butor.

Em 1960 aparece uma nova escola de crítica literária, o Estruturalismo, baseada no trabalho do antropólogo francês Claude Lévi-Strauss. Seu maior expoente foi Roland Barthes. A última tendência crítica é conhecida como Desconstrução e seu pioneiro é o filósofo e crítico Jacques Derrida.

Civilização Francesa